terça-feira, 25 de junho de 2013

Xavantes saqueiam mercado e casas após índio levar seis tiros em MT


14/05/2013 20h03 - Atualizado em 14/05/2013 20h14

Xavantes saqueiam mercado e casas após índio levar seis tiros em MT

Ação ocorreu em represália a violência sofrida por índio em Nova Xavantina.
Em reunião nesta terça, índios prometeram devolver produtos roubados.

Dhiego Maia Do G1 MT
26 comentários
Xavantes acumulam em calçada alimentos saqueados em supermercado de Nova Xavantina (Foto: Jânio Gomes/NotíciasNX)Xavantes acumulam em calçada alimentos saqueados em supermercado de Nova Xavantina (Foto: Jânio Gomes/NotíciasNX)
Um grupo de pelo menos 30 índios da etnia Xavante invadiu três residências e saqueou alimentos de um supermercado em Nova Xavantina, a 651 quilômetros de Cuiabá, nesta terça-feira (14). De acordo com a Polícia Militar, os indígenas promoveram as invasões em retaliação à tentativa de assassinato contra um xavante no último domingo (12). A ação dos indígenas causou pânico à cidade de 19.643 habitantes, segundo o IBGE. A Funai afirmou que monitora a situação.
O xavante Levi Tserewa Omowe Waadahite, de 32 anos, foi atingido com seis tiros em uma rua do bairro União. De acordo com o Boletim de Ocorrência da PM, dois homens em uma moto que passavam pelo local teriam efetuado os disparos. A vítima foi socorrida e levada para o hospital municipal. O estado de saúde dele se agravou, e o indígena acabou sendo transferido para o Pronto-Socorro de Barra do Garças, a 516 quilômetros de Cuiabá. Ele está em estado de observação e, segundo a unidade hospitalar, o estado de saúde da vítima é estável.
O primo do indígena baleado confirmou ao G1 que o protesto foi motivado pela tentativa de assassinato contra o integrante da aldeia. “Ninguém esperava o que aconteceu. O nosso povo deixou a aldeia no propósito de protestar contra tudo que o Levi passou [em Nova Xavantina]”, afirmou o primo da vítima, Rinaldo Tsiwamo, que é funcionário da Fundação Nacional do Índio (Funai), em Nova Xavantina.
Homens, mulheres, idosos e crianças. O grupo de indígenas da aldeia Campinápolis chegaram em Nova Xavantina em vários carros. Os locais invadidos, segundo a polícia, seriam de familiares e amigos dos suspeitos que balearam o indígena.
Em entrevista ao G1, o comandante da PM em Nova Xavantina, Roosevelth Fabiano Oliveira Escolástico, declarou que os xavantes roubaram quatro motos que estavam nas residências e levaram, praticamente, 95% dos mantimentos do estabelecimento comercial.
Em reunião, Xavantes prometeram devolver o que foi levado das casas e mercado (Foto: Jânio Gomes/NotíciasNX)Em reunião, Xavantes prometeram devolver o que foi levado
das casas e mercado (Foto: Jânio Gomes/NotíciasNX)
“Eles quebraram portas, danificaram móveis, levaram eletrodomésticos. Em momento algum eles agrediram ninguém. Toda a ação dos índios foi ligada à tentativa de assassinato. As casas invadidas eram as que os suspeitos moravam. O mercado só foi saqueado, segundo eles, porque o proprietário teria dito onde o índio estava antes de ser baleado”, explicou o comandante.
Em relação a um possível confronto entre a PM e os indígenas, o comandante ressaltou que os policiais acompanharam a ação de perto e, não dispararam contra os xavantes porque 'não houve violência física'. Ele destacou também que a polícia local não dispõe de armamento não-letal e uma possível ação da polícia poderia 'causar uma tragédia'.
No final da tarde desta terça-feira, uma reunião entre as autoridades locais e os índios pôs fim ao conflito. Os indígenas prometeram em uma semana devolver os mantimentos e deram prazo de dois dias para entregar as motocicletas e os eletrodomésticos retirados das residências. Ao final da reunião, porém, o líder da aldeia, Roberto Xavante, afirmou que se o índio baleado morrer, 'Nova Xavantina vai conhecer de perto o que eles podem fazer'. O encontro foi registrado em uma ata.
Prisão
De acordo com a polícia, os indígenas serão investigados em um inquérito policial pelos crimes de furto, roubo e saque. Um dos suspeitos de ter participado da tentativa de assassinato contra o indígena foi preso em Primavera do Leste, a 239 quilômetros de Cuiabá, tentando embarcar em um caminhão de carona. Segundo o delegado Marcos Aurélio Dias Leão, o suspeito foi levado para uma unidade prisional que não foi divulgada por motivo de segurança.
A polícia investiga duas hipóteses que levaram o indígena a ser baleado. A primeira é que ele estaria envolvido com o tráfico de drogas. A segunda é que o xavante teria furtado uma bicicleta. O segundo suspeito de atirar em Levi ainda segue procurado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário